segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O «Teu Jardim»

Triste memória
do que foi um lindo jardim
com uma palmeira,
uma glicínia
que cresce abandonada.
A buganvília decepada
que sobrevive
e deixa que brotem ramos
desalinhados,
quais tentáculos
sacudidos pelo vento
procurando sustentação,
quase roçando o chão
de terra seca e pisada
que há muito não vê enxada,
onde abundam as daninhas,
morangos selvagens
pontos vermelhos
mirrados,
pela erva espalhados.
A pequena azálea
que resiste
com ar triste
na sombra
feita dos ramos
emaranhados
da glicínia.
Meu amigo,
já olhaste bem
para aquele chão?
a pedir para ser semeado,
plantado,
implorando para ser regado
que lhe tirem o ar desmazelado,
tantos anos de pousio
está mais que preparado
para receber as sementes,
os bolbos,
os rizomas,
um relvado,
uma cerca
que o proteja do cão,
tua grande aflição....
porque desistes,
de refazer o jardim?
Insistes em chamar-lhe logradouro
quando daquele pedaço de terra
podias fazer um tesouro!

7 comentários:

leoonor disse...

Está bonito mas não sei a que é que te referes. No final dos poemas podias escrever a que é que te referes.
bj

Edu disse...

Muito bom esse jardim. ta cheio de vontade de ser amado.
Gostei muito deste.
Ja agora boas entradas e feliz 2009
bjus

Perla disse...

Não se pode desistir de "refazer o jardim"!

Que 2009 seja um cultivar constante do Amor e da Paz!

Bom Ano!

Bjs

paradoXos disse...

haja novas sementes neste 2009

beijão próspero

Anónimo disse...

Muito bonito! Nunca devemos abandonar nossos sonhos!

Mal ia a poesia se o poeta tivesse de a explicar ...!
Bjs
Oswalda

vida de vidro disse...

Os jardins têm que renascer. E só o nosso empenho o consegue fazer. Que renasçam em 2009!**

De Amor e de Terra disse...

Quantas recordações, quantas mágoas; na vida tudo se transforma e tudo passa!

Um beijo da

Maria Mamede